Família simulou venda de 20 mil toneladas de grãos em MS para ‘maquiar’ tráfico de cocaína

24/ 01/22
Família simulou venda de 20 mil toneladas de grãos em MS para ‘maquiar’ tráfico de cocaína
Para lavar o dinheiro do tráfico de cocaína, que saía da fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e chegava até o Rio Grande do Sul, quadrilha familiar simulava a venda de milho e soja. Alvos da Operação Geminus da Polícia Federal, presos em dezembro de 2021, tios e sobrinhos chegaram a simular a venda de 20 mil toneladas de grãos em quatro anos.
Nas investigações, foi apurado que Nelson Ormai Rodrigues e a esposa, Leonor Cristina da Silva Cunha Rodrigues, junto com os sobrinhos gêmeos, Alex Teixeira Rodrigues e Alan Teixeira Rodrigues, declaravam atividade em média escala de agricultura. No entanto, imagens aéreas das propriedades rurais mostram que, entre 2009 e 2020, não há histórico de cultivo de lavouras.
PUBLICIDADE
Mesmo assim, entre 2015 e 2019, a família declarou a venda de grãos a uma empresa que seria laranja do esquema criminoso. Foram 20 mil toneladas de grãos declarados — avaliados em R$ 15 milhões — mas, curiosamente, nenhuma transação bancária entre a empresa e os investigados foi encontrada no período indicado. Os quatro acusados foram presos em Mato Grosso do Sul, onde tinham as terras.
A investigação também identificou que, entre 2009 e 2013, o ritmo de lavagem de dinheiro do grupo era ‘médio’, enquanto nos anos seguintes, de 2014 a 2019, houve um ritmo acelerado. Entre 2009 e 2019, o patrimônio do núcleo familiar passou de R$ 335 mil para mais de R$ 11,881 milhões.
PUBLICIDADE
Transporte da cocaína
De acordo com a delegada da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Aletea Vega Marona Kunde, o grupo movimentou 5 toneladas de cocaína no período de um ano. A droga era levada de MS para o RS em compartimentos ocultos em caminhões. Da mesma forma, os veículos voltavam com grandes quantidades de dinheiro escondidas.
O dinheiro era ‘lavado’ com empresas de fachada, bem como ‘laranjas’. Ainda segundo a delegada, o grupo também lavava dinheiro com a produção de gado, bem como com uma empresa de transporte e outra de locação de equipamentos para construção. As empresas funcionavam apenas para transitar os recursos e simular riqueza lícita.
PUBLICIDADE
No data was found
No data was found