Alternative content

Get Adobe Flash player

Nova tecnologia

São Gabriel conta com projeto pioneiro para atuar no combate ao Aedes aegypti

Município será o primeiro do País a testar o projeto piloto, que auxiliará os agentes de saúde durante o monitoramento e vistoria a residências.

Com o principal objetivo de auxiliar nos trabalhos de combate a infestação do mosquito Aedes aegypti, transmissor dos vírus da dengue, chikungunya e zika, a Secretaria de Estado de Saúde está apostando na tecnologia, desenvolvendo um aplicativo para dispositivos móveis e tablets que será usado por Agentes Comunitários de Saúde (ACS), no monitoramento do controle de foco do mosquito. 

O projeto piloto foi apresentado em São Gabriel do Oeste na última segunda-feira (04), durante uma reunião que contou com a presença de técnicos da Secretaria de Estado de Saúde e da Subsecretaria de Comunicação. Na oportunidade, também foi feita a entrega de 60 tablets com os aplicativos desenvolvidos, onde no município 58 ACS receberam o treinamento para operar a nova ferramenta.

Em entrevista na rádio FM, durante o programa do Vagner Trindade, na tarde desta terça-feira, o gerente de tecnologia da secretaria de Estado de Saúde, Marcos Espíndola, falou sobre a nova tecnologia. Segundo ele, a ideia da ferramenta é de dar agilidade a coleta de dados que passará a ser feita de forma eletrônica, onde durante as visitas as residências os agentes vão registrar nos tablets todas as ocorrências notificadas no imóvel, onde os registros colhidos serão transmitidos diariamente para o Estado e assim o município terá em mãos o mapa diário da situação de foco.

“O município assim como nós do Estado visualizará em tempo real o registro de visitas e com isso, ambos poderão intervir de forma imediata em lugares considerados com grande risco de infestação”.

Aplicativo para dispositivos moveis e tablets será usado por Agentes Comunitários de Saúde durante visitas a imóveis. (Foto: Suzana Vanessa)

Aplicativo para dispositivos moveis e tablets será usado por Agentes Comunitários de Saúde durante visitas a imóveis. (Foto: Suzana Vanessa)

Piloto em Mato Grosso do Sul, o projeto também é pioneiro em todo o País, onde São Gabriel do Oeste por ser mais próximo de Campo Grande será a primeira das cinco cidades do Estado a receber o projeto, que também será implantado em Maracaju, Bataguassu, Bonito e Costa Rica.

“O que está acontecendo aqui em São Gabriel além de ser um projeto piloto, também é uma experiência pioneira no País. É o primeiro município brasileiro com esse grau de capitalidade do sistema em dispositivos móveis e tablets, que poderá inclusive evoluir em usos de smartphones”.

Ainda durante a entrevista, o Secretário de Saúde de São Gabriel do Oeste, Frederico Marcondes Neto ressaltou a importância do papel da sociedade no trabalho de combate ao mosquito Aedes Aegypt. “Precisamos cada vez mais da colaboração da população, pois sem esse apoio nós não iremos vencer essa guerra”.

Em relação às casas fechadas que impedem o trabalho dos agentes comunitários de saúde, o secretário destacou a parceria obtida junto a Aurora, com a realização de palestras com os funcionários do frigorífico, onde na oportunidade foi solicitada a colaboração dos moradores para facilitar a entrada dos agentes nestes quintais, afim de que todos trabalhem juntos contra a dengue.

Projeto de Lei

Com o objetivo de facilitar o trabalho dos agentes comunitários de saúde no controle do mosquito Aedes Aegypt através das visitas nos imóveis, foi criado e aprovado pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul no mês de dezembro, um Projeto de Lei que permite a entrada compulsória dos agentes de saúde em imóveis fechados em todo o estado.

Uma das medidas previstas no projeto é que em caso de recusa ou impossibilidade de entrada no imóvel, o proprietário será notificado e o agente fará ainda outras três tentativas, que se falhas o mesmo terá automaticamente a entrada no imóvel autorizada, a qual será feita na presença da Polícia Militar ou Guarda Municipal.

Também em entrevista cedida ao programa do Vagner Trindade nesta terça-feira, o Coordenador Estadual de Controle de Vetores, Mauro Lúcio Rosário falou sobre a nova lei, que segundo ele dará mais autonomia aos agentes de saúde que também terão um amparo jurídico para fazer uma visita resolutiva nos imóveis.

“Com tudo o que está sendo feito, se não houver a participação da população em fazer a sua parte, deixando seu imóvel limpo não vai adiantar em nada. Não queríamos ter que chegar a esse ponto, mas agora essa nova lei vai obrigar aqueles que não fazem a sua parte a mudar esse conceito,” comentou Mauro Lúcio, alertando sobre o alto índice de infestação do Aedes Aegypt no Estado, que em 2015 ultrapassou a marca dos 40 mil casos de dengue notificados.

 

Suzana Vanessa